Sentir-se preso

Um jeito de encarar a rotina é aceitar o absurdo da realidade: hora certa para acordar, comer, trabalhar, se divertir… E um dia após o outro, sem nenhum motivo ou propósito aparentes. Outro jeito — mas para esse é preciso coragem — é duvidar de tudo. E assim viver em uma luta constante com os próprios desejos e vontades.

Como, em geral, somos acomodados e loucos por conveniência, acabamos escolhendo invariavelmente a primeira opção. O fato de mentirmos para nós mesmos alegando que esse é o único jeito de viver, é só mais uma prova da saudade que sentimos de uma época em que vivíamos isolados de outras realidades e caminhos.

Conhecer a liberdade parece uma vantagem, parece. Na verdade, essa é a maior das prisões.

Ilustração de Irene D’Antò

Originally published at www.marcosramon.net on January 4, 2018.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.