A ausência da memória

No episódio de hoje do meu podcast eu falei sobre memória, e algo que sempre relaciono com esse tema é a infância. Quando crianças temos uma vontade, que é quase universal entre os pequenos, de nos tornarmos adultos. É bem provável que a maioria das crianças pense sobre isso em algum momento: como seria bom ser adulto, e fazer o que eu quiser e me sentir livre etc. Depois crescemos e, você sabe, o processo se inverte. Nós, adultos, acabamos desejando a infância, época da real liberdade, das poucas preocupações, da felicidade verdadeira.

Contraditoriamente, acabo achando o sonho das crianças mais real e positivo. A infância é lembrada como uma época mágica só porque não recordamos como era realmente ser criança. O que lembramos, pense bem, é muito pouco, só o suficiente para acreditarmos na história da felicidade que nós mesmos inventamos. Não é fácil esquecer tanto, e se a natureza nos permitiu isso foi por algum motivo.

A infância possui inúmeros aspectos bons, mas a felicidade plena é o mais irreal e improvável de todos. Criança sofre, como todo mundo sofre, e pais e mães percebem isso mesmo que não queiram. No final, a capacidade de esquecer é uma proteção; não contra os outros, mas contra nós mesmos. É a ausência da memória que nos permite insistir em viver.

Colagem de Julia Gleiser

Originally published at www.marcosramon.net on January 5, 2018.

One clap, two clap, three clap, forty?

By clapping more or less, you can signal to us which stories really stand out.